Análise econômica

Classificado em Economia

Escrito em em português com um tamanho de 5,27 KB.

 
Suporte às recomendações: as principais metodologias das recomendações: análise custo-benefício, a análise de custo-eficiência e análise Swot.  Uma das possíveis abordagens pára recomendações é a análise de custo-benefício que permite aós analistas compararem e advogarem políticas através da quantificação dos custos financeiros e benefícios monetários totais.Carácterísticas: 1-esta análise procura medir/calcular todos os custos e benefícios pára a sociedade de um determinado programa público, incluindo variáveis intangiveis que não são facilmente medidas em termos de custo e benefícios monetários. 2-Esta análise assenta em muito na racionalidade económica, pois o critério adoptado mais frequentemente é o da eficiência económica global.- Uma política ou programa diz-se eficiente se os seus benefícios líquidos (net benefits = benefícios totais – custos totais)são superiores a 0 e superiores aós benefícios líquidos que resultariam de um investimento público ou privado alternativo. 3-Utiliza sempre do mercado privado como o ponto de partida na recomendação de um programa público 4-Este tipo de análise é também utilizada pára calcular os benefícios da redistribuição 2-Vantagens Gerais 1- tanto os custos como os benefícios são contabilizados numa única unidade de valor dólares/euros, o que permite a contabilidade directa entre os custos e os benefícios (b-c); 2- permite fazer inferências relativamente ao rendimento da sociedade como um todo; 3- permite a comparação entre programas de diferentes áreas de actuação ( ex: Sáúde e transporte) dado que a eficiência é traduzida em termos monetários.; Limitações 1-Um excesso de ênfase na eficiência económica. No que diz respeito a questões de redistribuição e equidade social torna a sua aplicação quase impossível mas quando tal acontece, a centralidade da dimensão do rendimento como medida da satisfação origina debates razoáveis sobre as bases morais e éticas de políticas alternativas. 2-Quando não estão estabelecidos os preços do mercado dos bens o analista é obrigado a fazer estimativas subjectivas sobre o valor que o cidadão poderia estar disposto a pagar por bens e serviços. Ou seja, são muitas vezes arbitrários. 3-Ou seja, mesmo quando este tipo de análise tem em conta problemas de redistribuição e equidade social ele assenta sempre no rendimento como medida de satisfação. 4-Reparem que neste tipo de modelo nós quase ignoramos outros tipos de racionalidade ( técnica, legal e social), o que prejudica a nossa capacidade de olhar pára as políticas ou programas de uma forma mais integrada e realista. 5-Podemos cair no erro de “termos os custo de tudo e o valor de nada”. 3- Análise custo- eficácia:  Outra das possíveis abordagens pára recomendações é a análise de custo-eficácia que permite aós analistas compararem e advogarem políticas através da quantificação dos custos e efeitos totais. Ao contrário da anterior que avaliava todos os factores relevantes numa única unidade de valor (dólar, euro) este tipo de análise utiliza duas unidades de valor: os custos são medidos em unidade monetárias enquanto que a eficácia é medida em número total de bens e serviços. É possível criar rácios custo/eficácia ou eficácia/custo. Estes rácios, ao contrário dos rácios custo/benefício, dizem-nos quanto de um bem ou serviço é produzido por unidade monetária dispendida. Este tipo de análise é particularmente apropriada pára questões que envolvem a forma mais eficiente de utilizar recursos pára alcançar objectivos que não podem ser quantificados ou expressos em termos de rendimento. É utilizada por exemplo pára recomendar políticas e programas de ´justiça criminal, transporte, Sáúde, e defesa. Carácterísticas: 1-Dado que não envolve medições dos benefícios em termos monetários é de mais fácil aplicação 2-Sustenta-se sobretudo numa racionalidade técnica, dado que não relaciona as consequências à eficiência económica global ou ao bem estar social agregado. 3-Porque não se sustenta no preço do mercado está menos associada à noção de maximização dos benefícios. Frequentemente não faz qualquer tentativa pára determinar se os benefícios excedem os custos ou se investimentos alternativos no sector privado seriam mais proveitosos 4-É um tipo de análise adequada pára análise de externalidades e intangíveis.

Entradas relacionadas: