O individuo e a sociedade

Classificado em Direito

Escrito em em português com um tamanho de 3,86 KB.

 
Limites à autoridade da sociedade sobre o individuo A sociedade tem jurisdição sobre todos os apectos comportamentais do individuo quando este praticar uma acção que prejudique os interesses/ direitos de outrem. Podem também ser censurados pela opinião publica, mas nao pela lei, quando causaresm dano a outro mas sem violar os seus direitos. 2- Por outro lado não pode intervir quando só o afecta a ele, ou a a terceiros que lhe tenham dado o seu consentimento.( Princípio da individualidade- pode fazer o que quer com a vida). As pessoas não têm o direito de expressar reprovação moral, nem devem tratá-lo com ressentimento como que de um inimigo se tratasse, pelo facto de levar a cabo as sua proprias ideias, quando estas apenas o afectam a ele. 3- O que a sociedade poderá fazer é aconselha-lo ou tetar influenciàlo numa determinada direcção, porém a ultima palavra será sempre dele, é neste sentido que qualquer força coerciva será ilegitma pois estará a chocar directamente com a individualidade e com a liberdade de opinião/gostos que caracterizam o individuo. 4-Mesmo em casos de ferramentas ou objetos que podem ser utilizadas pára o mal, nao devem ser proibidas, devemos sempre respeitar a liberdade dos individuos mesmo que isso lhes cause dano, por exemplo uma pessoa que esteja ciente de que uma ponte está em risco de colapsar, não deve ser proibida de atravessá-lá, desde que disponha das suas faculdades mentais. 5- A liberdade de acção deve ser sempre protegida desde que não cause danos a terceiros, sendo que o individuo só deve ser julgado pelos seus actos depois de serem cometidos, por exemplo: alguém que leva uma vida estravagante e por causa disso não tem capacidade de pagar as suas obrigações aós credores, deve ser punida pelo facto de prejudicar outrem (o credor) mas nunca deve ser punido pela vida estravagante que leva, essa é uma decisão sua e deve ser respeitada. Portanto não devemos exigir que deixe este estililo de vida, mas antes que cumpra com os seus deveres. 6- Se pelo contrário as suas acções apenas afectarem a sociedade de forma indirecta, sem que o individuo viole as suas obrigações ou o direito de terceiros, entao esta inconviniencia deve ser suportada pela sociedade em nome da liberade de acção (individualidade). 7- A sociedade deve incutir os seus valores durante a infancia, se uma pessoa, na vida adulta for imatura e não se conseguir auto-governar, entao a culpa é da sociedade. 8- Quando a sociedade interfere pode fazê-lo de forma errada, por exemplo: a maioria mulculmana pode insistir pára banir porco do pais; Se as pessoas quiserem impor a sua moralidade, também tem de estar dispostas a aceitar as imposições dos outros (individualidade/liberdade de opinião)

Entradas relacionadas: