Onomatopeia figura de linguagem

Classificado em Língua e literatura

Escrito em em português com um tamanho de 6,38 KB.

 

Peregrinação

  • O narrador que se expressa é homodiagétiço, uma vez que participa na ação integrado num grupo do qual, não é a figura mais relevante, as personagens principais são outras pessoas mas o sujeito da enunciação participa nos eventos que relata.
  • O episódio contribui pára conferir à Peregrinação uma dimensão crítica. Pela boca de uma das personagens envolvidas nos acontecimentos (como acontece igualmente nos episodios da rainha de Aauru, do rei dos batas ou do menino chinês), o narrador desvenda a atuação nem sempre correta dos portugueses no Oriente, desprezando os valores cristãos e agindo, por vezes, falsamente , sob a aparência da bondade e da fé, com recurso à violência, em prol do seu bem-estar e do seu enriquecimento.

Bocage

A poesia lírica de Bocage apresenta duas vertentes principais: uma, luminosa, etérea, em que o poeta se entrega inebriado à evocação da beleza das suas amadas (Marília, Jónia, Armia, Anarda, Anália), expressando lapidarmente a sua vivência amorosa torrencial: 

Na sua póética prevalece a segunda vertente mencionada, o sofrimento, o "horror", as "trevas", facto que o faz, com frequência, ansiar pela sepultura, "refúgio me promete a amiga Morte", como afirma nomeadamente. A relação que tem com as mulheres é também melindrosa, precária. O ciúme "infernal" rouba-lhe o sono, acentua-lhe a depressão. 

Bocage viveu num período de transição, conturbado, em convulsão. A sua obra espelha essa instabilidade. Por um lado, reflecte as influências da cultura clássica, cultivando os seus géneros, fazendo apelo à mitologia, utilizando vocabulário genuíno; por outro lado, é um pré-romântico pois liberta-se das teias da razão, extravasa com intensidade tudo o que lhe vai na alma, torrencialmente expressa os seus sentimentos, faz a apologia da solidão.


Carácterísticas Neoclássicas:

Uso da mitologia com valor alegórico/ personificação de conceitos  ;  Vocabulário erudito  ;  Concissão e clareza na linguagem  ;  Formas literárias ainda clássicas: soneto, ode, elegia, etc.  ;   Fado (destino)  ;  A morte igual á tristeza  ;  Sublimação do amor  ;  Domínio da razão

Caracteristicas pré-românticas

Procura uma linguagem nova e tom declamatório pára melhor traduzir a força dos sentimentos: pontuação expressiva, uso de interjeições, vocativos, linguagem oralizante, forma dialogada , a linguagem flui de acordo com a agitação do estado de espírito do poeta  ;  Marcas autobiográficas  ;  Vocabulário convencional do ambiente e sentimentalismo romântico  ;  O desengano e o fatalismo  ;  Manifestação de estados de alma doentios   ;  Morte como libertação , apaziaguamento, perdição ou castigo  ;   O amor como fonte de prazer delirante, paixão, inquieetação, ânsia, ciúme  ;  Expressão hiperbólica dos sentimentos  ;   A aguda consciencia do Eu   ;   Gosto da solidão, tendência antisocial, individualismo, apologia do génio individual ; A temática da liberdade(ideológica)


Anáfora – Repetição de uma ou mais palavras no início de verso ou de período.

Anástrofe – Inversão da ordem directa das palavras.

Pleonasmo – Repetição de uma ideia já expressa

Antítese – Apresentação de um contraste entre duas ideias ou coisas. 

Apóstrofe ou Invocação – Interpelação a alguém ou a alguma coisa 

Eufemismo – Dizer de uma forma suave uma ideia ou realidade 

Hipérbole – Ênfase resultante do exagero

Sinédoque – Variante de metonímia, pela qual se exprime o todo pela parte ou vice-versa.

Perífrase – Figura que consiste em dizer por muitas palavras o que poderia ser dito em algumas ou alguma.

Entradas relacionadas: