Racionalidade prática

Classificado em Psicologia e Sociologia

Escrito em em português com um tamanho de 2,22 KB.

 

Principal Inimiga da bruxaria, a magia combate os males por ela causados, curando Doenças, controlando a agricultura e a cáça, além de ser responsável  pela Vingança contra os bruxos e feiticeiros identificados pelos oráculos. A Magia é realizada de maneira consciente, pois depende da manipulação Deliberada de drogas específicas pára cada finalidade e da realização de Encantamentos, o que nitidamente a diferencia da bruxaria. Distingue-se ainda a “boa magia”, aquela socialmente autorizada, da feitiçária, maligna, imoral e Antissocial, destinada a fazer mal deliberadamente a outrem, seja a seus Negócios ou ao corpo do sujeito. Os ritos mágicos são raros e secretos e, Embora sejam mais comuns entre os homens mais velhos, todo zande, diz o autor, é até certo ponto um mágico, já que tem contato com magia e com drogas em algum Momento de sua vida.


Nesta obra, Evans-Pritchard dialoga com as Principais teorias então correntes sobre a razão humana. Ao identificar a racionalidade que subjaz à bruxaria zande, a monografia avança em relação à Teoria da mentalidade primitiva de Lucien Lévy-Brühl (1857-1939) e à noção de representações Coletivas de Émile Durkheim (1858-1917), que lhe serviram de ponto de Partida. A Obra suscitou também uma pluralidade de linhas de descendência e abriu caminhos Pára o posterior 

Entradas relacionadas: