Qual o efeito da contração monetária na taxa de juros

Classificado em Economia

Escrito em em português com um tamanho de 9,17 KB.

 
  1. Isso significa dizer que, no período de um ou dois anos muitas políticas econômicas empurram a inflação e o desemprego em direção opostas.

    Este é um tema que merece nossa atenção. Isto porque, as taxas de inflação no Brasil e no mundo estão apresentando um comportamento de crescimento e, possivelmente, de acordo com Phillips, a tendência (pára reverter a inflação) será elevar as taxas de desemprego.

    6-Sobre os determinantes do produto:

    1. Diferencie capacidade produtiva e grau de utilização da capacidade produtiva.
    2. O que determina o produto potencial (longo prazo).
    3. O que determina o produto efetivo (curto prazo).

    a- Capacidade de produção:

    Pára Stevenson capacidade de produção refere-se ao teto de carga que uma unidade operacional pode suportar.

    Pára Gaither e Frasier é “o maior nível de produção que uma empresa pode manter dentro de uma estrutura de programação de trabalho realista, levando em conta um período de inatividade normal e supondo uma disponibilidade suficiente de entradas pára operar a maquinaria e o equipamento existente”.

    Pára Moreira é a quantidade máxima de produtos e/ou serviços que podem ser produzidos num determinado tempo.

    O termo capacidade, conforme visto, considera o volume ou a quantidade máxima em condições fixas dos ativos ou instalações. Embora estas medidas possam ser úteis, e freqüentemente utilizadas pelos gestores de produção, é necessário também se conhecer a capacidade sob seu aspecto dinâmico. Pára isto, deve ser adicionada a dimensão  tempo a esta medida

    Grau de ultilizaçao:

    A capacidade disponível e a capacidade efetiva permitem a informação de um índice, denominado grau de utilização. Que representa, em forma percentual, quanto uma unidade produtiva está utilizando sua capacidade disponível, conforme a fórmula abaixo:

    B- Produto Potencial é determinado pela capacidade produtiva da economia, a qual depende, por sua vez, da quantidade e qualidade dos seus factores produtivos e da capacidade de afectação eficiente desses mesmos recursos.

    C- O produto efetivo, calculado no curto prazo, é o volume de bens e serviços efetivamente produzido em um

    dado período, sendo determinado pela demanda efetiva.

    7 - O que é consumo? Quais os determinantes do consumo

    O consumo é uma atividade económica—uma das principais, ao lado da produção, distribuição, repartição dos rendimentos e acumulação—que consiste na utilização, destruição ou aquisição de bens ou serviços. Este ato pode ser efetuado pelas famílias, empresas ou outros agentes económicos, tornando-se estes consumidores, permitindo também satisfazer as respetivas necessidades.

    Fatores determinantes do consumo:

    * A renda das famílias

    A renda é o principal determinante do consumo. Keynes, em sua lei psicológica fundamental, diz: “os homens tendem a aumentar seu consumo à medida que sua renda aumenta, mas não de uma quantidade tão grande quanto o aumento da renda”. Esta afirmação sugere que a propensão média a consumir diminui com o aumento da renda. A partir desta definição de Keynes, várias críticas e tentativas de definir melhor a função consumo foram aparecendo. Analisemos brevemente as principais

    * Tributação

    Os impostos diretos e indiretos podem influenciar o consumo de duas formas: segundo a óptica das pessoas taxadas e segundo o caráter das políticas adotadas pelo poder público. Além disso, deve-se observar a forma como incidem estes impostos: se de forma progressiva, neutra ou regressiva.

    * Desigualdades na distribuição da renda

    Dado que o valor da propensão dos pobres a consumir é maior do que a dos ricos, deduz-se que a propensão a consumir é crescente com o aumento da participação dos salários na renda nacional (N. Kaldor, J. Róbinson, e L. Pasinetti). Em outros termos, uma melhoria na distribuição da renda tende a aumentar a propensão a consumir da economia e, consequentemente, reduzir a propensão a poupar

    * Os preços e a inflação

    A inflação reduz o consumo das famílias devido ao efeito renda negativo. Isto ocorre mesmo quando os salários estão indexados porque o reajuste deste se dá de forma defasada em relação ao aumento dos preços (os preços sobem pelo elevador e os salários pela escada). Isto faz com que as pessoas antecipem o consumo, gastando o mais rápido possível seus recursos na aquisição dos bens de que necessitam.

    *A taxa de juros

    Os efeitos da taxa de juros sobre o consumo pode ser notado tanto no nível microeconômico quanto no macroeconômico. No primeiro caso, um aumento na taxa de juros remunerando a poupança pode ter uma dupla influência: diminuir o consumo presente pelo efeito substituição de consumo presente por consumo futuro (o ganho de juros é transferido pára compras futuras) e aumentar o consumo presente pelo efeito renda provocado pelo aumento da remuneração da poupança (o ganho de juros é transferido pára compras presentes). A priori, é difícil saber qual será o saldo líquido

    * O patrimônio das famílias

    O patrimônio das famílias pode influir no consumo de duas formas. Primeiro, se as famílias poupam com o objetivo de constituir um patrimônio, seremos tentados a dizer que o aumento do patrimônio freia a poupança e estimula o consumo. A idéia é que a motivação pára a poupança é cada vez mais fraca com o aumento do patrimônio

    8-Qual a relação entre consumo e taxa de juros?

    Sabe-se que a taxa de juros é o custo do dinheiro, ou seja, é a remuneração cobrada pelo empréstimo de dinheiro. Desta forma, aumentando a taxa de juros o consumidor prefere aumentar suas poupanças, que lhe rendem mais, consumir menos hoje e utilizar os recursos poupados (acrescidos dos juros) pára consumir mais no futuro. Logo, o aumento da taxa de juros tem como finalidade macroeconômica, reduzir o volume do consumo que quando é exagerado em relação à oferta pode causar um surto inflacionário. Esta relação entre taxa de juros, consumo e poupança têm como denominador comum a Inflação, pois é no combate a esta, que as outras variáveis são jogadas de forma conjugada, ou seja, é pára combater a inflação que o Governo manipula a taxa de juros pára que haja diminuição do consumo e aumentar as poupanças dos indivíduos. Havendo menos consumo, ocasionado pelo aumento da SELIC, o comércio vende menos e a indústria diminui sua produção, podendo ocorrer demissões e queda no crescimento econômico do país, que é outro problema que o atual Governo vem enfrentando. Sem dúvida, se correr o bicho pega e se ficar o bicho come! O aumento da SELIC pode fazer o consumo cair, a inflação cair, mas, por outro lado, pode diminuir a produção e fazer com que haja uma desaceleração econômica ainda maior.

    9- O que é investimento? Quais os determinantes do investimento?

    Investimento é a aplicação de algum tipo de recurso (dinheiro ou títulos) com a expectativa de receber algum retorno futuro superior ao aplicado compensando inclusivamente a perda de uso desse recurso durante o período de aplicação (juros ou lucros, em geral ao longo prazo).

    Principais Determinantes do Investimento:

    Receitas :

                  O investimento trará rendimento adicional a uma empresa se ajudar a vender mais produto. Isto sugere que o investimento é muito sensível ao ciclo económico.  

    Custos:

                  O custo de capital inclui não apenas o preço do bem de capital mas também a taxa de juro que é paga pára financiar o capital.

    Expectativas :

                  Outro elemento na determinação do investimento são as expectativas de lucro e a confiança empresarial. O investimento é um jogó no futuro, uma aposta de que as receitas do investimento sejam superiores aós seus custos

Entradas relacionadas: